21 de julho de 2011

Nasce uma nova Escola: SISTEMA INTERPRETA


Sábado, 16 de Julho de 2011 para mim um dos dias que vai entrar para a história do RPG Pará.

Nesse dia houve mais um evento do nosso estimado Blog com a participação de mais ou menos 50 pessoas; tema: Forgotten Realms.

Não posso começar essa matéria sem falar do óbvio: o palestrante, Yuri. Nunca antes na história desse blog tinha visto alguém com tamanho domínio do assunto quanto o mesmo, afinal de contas, tendo uma campanha que dura já a mais de uma década, não se poderia esperar menos de alguém que já está no seu Pós – Doc no assunto. Mais uma vez, meus parabéns; ganha você, ganhamos nós.

Seguindo com o texto; o evento continuou como manda a programação, seguindo o seu ritmo natural, o que é devidamente esperado até o inicio das mesas, foi aí que tudo mudou.

A mesa era onde Raga narrava e contava como uma partida para iniciantes, eu de longe somente observava, até que tudo mudou e fui chamado para substituir um dos participantes que teve que se ausentar, foi aí que descobri o que é o Sistema Interpreta.

O que pude observar foi o surgimento de uma escolinha de narradores onde dependendo do número que o dado apontava o próprio jogador ou outro da mesa descreveriam o evento ocorrido, ou seja, uma mesa onde todos eram jogadores e narradores ao mesmo tempo e o que mais valia era a interpretação.

Fiquei boquiaberto com o que vi; fichas que em nada lembravam as fichas técnicas que temos em todos os outros sistemas e sim pareciam mais uma espécie de prelúdio resumido do personagem, o que tornava fácil a manipulação por parte do jogador iniciante; o narrador fazia-se presente, mas era mais uma espécie de juiz do que propriamente um narrador já que os próprios jogadores narravam e criavam os acontecimentos o que tornava a dinâmica do jogo rápida e extremamente divertida; e o que dizer das ações, eram tão rápidas que obedeciam ao que a maioria dos sistemas manda: uma ação, três segundos.

E por que chamar de Escola de Narradores? Por que para mim é isso que representou a mesa e representa o sistema e pode ser provada pela participação dos jogadores onde eu destacaria a participante Letícia Cristina em especial. Ao conversar com ela, perguntei se já havia jogado RPG antes no que obtive uma negativa, mas o que vi foi alguém que soube aproveitar o que o sistema tem a oferecer e jogava e narrava com uma desenvoltura imaginativa que em nada lembrava uma neófita em RPG e sei que ela também gostou muito, pois deveria ter ido embora às 18h e, no entanto saiu de lá no fim da mesa umas 20: 30h, pois não conseguia não jogar, fato esse comprovado pelo seu depoimento devidamente colhido pelo mestre ao fim da mesa, que segue:

“Para um sistema iniciante, possui o ponto certo. Sendo de fácil compreensão e entendimento e exercitando a criatividade, o que é incrível.” Letícia Cristina

Passei a maior parte da mesa calado, só jogando o dado (o que para falar a verdade em nada me ajudou, pois era um Bárbaro anão e a única coisa que consegui foi perder o machado que segurava O.o) e fazendo o que realmente queria, observar; o que pude ver foi isso, um sistema que funciona, fácil, rápido e que cumpre bem seu papel, ensina o que é RPG na mais pura acepção da palavra: JOGO DE INTERPRETAÇÃO DE PAPEIS.

Ao final do evento, fomos confraternizar no posto da Doca, Ragabash, John e eu e entre outras coisas, parabenizamos o grande inventor desse sistema: Rodrigo Ragabash que mais uma vez, tem uma grande sacada para contribuir com o RPG, mostrando como pode ser fácil, divertido e responsável e acima de tudo, contribuindo para a formação dessa nova geração de RPGistas que estão chegando e que querem aprender. Havia surgido a sugestão de que o autor supracitado deveria escrever o módulo básico do sistema o que nos levou a rir muito quando se chegou à conclusão de que não teria mais que duas páginas: uma capa e a outra o texto com as duas regras do sistema (uma regra de jogada do dado e uma da interpretação).

Parabéns Raga é assim que se faz, visionários sem medo. Pessoal, vamos lá, vamos ajudá-lo a por esse Sistema em prática, vamos testá-lo e complementá-lo, sei que o Sr. Raga está aceitando sugestões.

Proponho que a partir de agora em diante, cada novo evento nosso tenha sempre uma mesa voltada para esse sistema de iniciantes, pois sua facilidade faz com que se adapte bem a qualquer cenário e qualquer sistema.

Segue agora os comentários dos outros participantes da mesa:

“A criatividade manda no jogo, enquanto a batalha/trama continua, nem percebemos o tempo passar” Frank Furtado

“Sistema ótimo para iniciantes. Utiliza maior interpretação” John “Lasonbra”

“Gostei muito do sistema e para mim, principalmente, caiu muito bem. Espero que continuem com o trabalho” Jonatan Belmont

Proponho também que os narradores devam pegar o depoimento dos seus jogadores ao fim da mesa, isso nos nortearia mais e melhor.

Minha impressão final: ganha eu, ganha você, mas acima de tudo, ganha o RPG ao demonstrar que o objetivo do RPG Pará está sendo alcançado, divulgar o RPG.

9 comentários:

John Bogéa disse...

Aeee Ragabash, caindo de cabeça nos sistemas narrativistas e de narrativa compartilhada.

É isso cara, sem medo de ousar, o sisteminha ficou massa dimais.

Seth disse...

Sistema Interpreta go go go go!!!

Michael Wevanne "Mwxs" disse...

Realmente, o Interpreta foi uma ótima sacada. Parabéns pela criatura, Rags!

Vmascarado disse...

Cara usei esse sistema para mestrar Cthulhu para minha namorada, com o único diferencial que os personagens (ela controlava 4 espalhados pela cidade) possuíam conceitos simples como enfermeira/corajosa/frágil (Isabel a personagem principal) que madificavam a rolagem em +1 quando aplicáveis, além de pontos de sorte para modificar um pouco o mundo e é claro sanidade! Foi show! parabéns pela idéia Ragabash! Sempre falei que sistemas hard cairiam, é a hora da virada!

Iago disse...

Ow ragabash, vi na foto que você tava com um papelzinho que eu acredito ser o manual do sistema interpreta, tem como você disponibilizar no blog?

Rodrigo "Ragabash" disse...

Oi Iago! Na realidade, o papelzinho que você viu foi a ficha de inscrição dos jogadores.

A mais de uma semana atrás eu postei aqui no blog a descrição de como funciona o Sistema Interpreta. O link para você conferir é: http://rpgpara.blogspot.com/2011/07/forgotten-realms-x-novatos-x-sistema.html

Um detalhe. Eu aceitei uma idéia de como seria o resultado de uma rolagem de d6.

Ficou assim:

1 - Falha, e pra piorar...
2 - Falha
3 - Falha, mas ainda bem que...
4 - Acerto, mas ainda pior que...
5 - Acerto
6 - Acerto, e ainda mais

Quaisquer dúvidas, é só perguntar. :o)

Gilson Rocha disse...

Estou curioso para conhecer! Que bom que agora sempre terá uma mesa para iniciantes nos eventos, esta era uma preocupação minha que surgiu após comentário do Daniel "Macapá" Coimbra.

Mas as "fichas técnicas que temos em todos os outros sistemas" não são em todos, acredito que na maioria ;)

Meu sistema simples empacou (o Essência), mesmo trabalhando nele há meses, já o meu feito para iniciantes, num modelo tradicional e muito simples, funcionou bem numa sala de aula para trinta jogadores. Fiquei satisfeito, mas é frustrante o outro não ter andado...

Gilson

Nelson Nunes disse...

Raga, eu li até agora esse texto, vou procurar pra entender mais ainda o sistema, mas adianto que seria uma sacada escreve-lo de fato. Registra no teu nome e publica virtual mesmo! Duas páginas? E daí, se é bom, o resto do livro será escrito por jogadores e mestres.
Depois que ler falo mais!

Nelson Nunes

Michael Wevanne "Mwxs" disse...

Concordo com o Nelson, Rags. Faz um PdFzinho bem simples para apresentar o Interpreta.

Postar um comentário