30 de outubro de 2010

Romance de Clã: Setita [Comentários]

Salve povo! Terminei mais um Romance de Clã. Desta vez foi o do Setita, ou melhor dizendo, dos Seguidores de Set (por Kathleen Ryan, 1999), quarto livro da saga épica entitulada Clan Novel ambientada no jogo Vampiro: A Máscara.


Como os anteriores, o livro é dividido em três partes:

1ª Parte: Nova York

Inicialmente é feito a narrativa de eventos à parte do ataque ao High Museum of Art em Atlanta pelo Sabá. Estes eventos estão diretamente relacinados com Hesha Ruhadze, um aparentemente ancião setita e um dos principais personagens deste livro, e Vegel, seu companheiro de clã desaparecido. Quem leu o primeiro e segundo livros da saga sabe que fim Vegel tomou e quais consequências à trama isso refletiu.

Durante e após os eventos do ataque Sabá, Hesha se envolve com Elizabeth Dimitros, uma mortal especialista em História da Arte e profunfa pesquisadora de relíquias. Hesha e Elizabeth desenvolvem um envolvente, misterioso e mortal relacinamento que se desdobra em momentos altos e baixos durante todo o livro.

Nesta parte, esse envolvimento é iniciado graças à um item que Hesha possui e solicita à Elizabeth para fazer uma análise sobre ele. A intenção de Hesha foi apenas de criar uma oportunidade para conhecer melhor Elizabeth. Porém Elizabeth detem um conhecimento sobre tal item que desencadeia uma sequência de eventos que leva a dupla até um explosivo e impaciente arqueologista chamado Jordan Kettridge, o qual passa a seguir Elizabeth para então alertá-la sobre os perigos em que ela está se envolvendo.

2ª Parte: Maryland

Após o surgimento de Jordan e sua perseguição por Elizabeth, Hesha leva sua protegida para seu refúgio com a promessa de lhe proteger dos perigos em que ele a envolveu.

Esta parte se desenrola exclusivamente sobre os dias em que Elizabeth passou no refúgio de Hesha, uma fazenda chamada Laurel Ridge, na região de Columbia, estado de Maryland.

Durante sua estadia na fazenda, Elizabeth estreita seus laços com Hesha e seus funcionários. Principalmente com Ronald Thompson, um ex-policial e chefe da segurança de Hesha, que desenvolveu uma grande afinidade com Elizabeth.

É nesta parte que Elizabeth descobre sobre a real natureza de Hesha e as "reais" intenções do setita para com ela.

No final desta parte, Hesha detecta a presença do Olho de Hazimel, item que ele tanto procura e é a chave de todo o mistério do livro e da saga Clan Novel. Quem já leu os três livros anteriores (Toreador, Tzimisce e Gangrel) sabe o que é esse Olho, o mistério que o envolve e seu aparente poder. Devido à essa detecção, Hesha parte para Calcutá, na Índia, junto com Elizabeth e sua equipe de apoio.

3ª Parte: Calcutá

Esta é a parte mais mística e misteriosa do livro. Inicialmente é feita uma breve introdução do Mundo das Trevas de Calcutá e a corte da Camarilla que o governa. É um trecho bem interessante e foi uma boa oportunidade de explorar, mesmo que brevemente, algumas facetas de uma cidade governada pela Camarilla.

Porém, a estabilidade dessa corte é desestruturada graças à um grande evento que aparentemente está correlacionado com uma grande tempestade que assola essa região da Índia.

No meio disso tudo, Hashe e seu grupo é pego envolto à uma intriga mortal que também leva à descortas importantíssimas sobre o mistério que envolve o Olho de Hazimel.

Após ter sobrevivido ao assassino, descoberto novas informações sobre o Olho e se deparado com um grande evento que, no mínimo, faria qualquer ancião morrer de medo, Hashe parte com o grupo de volta para Nova York, mas especificamente no norte do estado, onde terminou os eventos do livro anterior (Gengrel).

Mesmo com tantas surpresas e situações misteriosas descritos nessa parte, considero este momento é o ponto alto da trama no livro. Situações eletrizantes, reviravoltas e surpresas são guardados para os momentos finais deste Romance.

Comentários

Inicialmente devo dizer que esse livro, na minha opinião, é o mais bem trabalhado no que tange ao desenvolvimento de um romance entre um mortal e um imortal. Os altos e baixos do relacionamento de Hashe e Elizabeth foram essenciais para apimentar os eventos descritos no livro e que fazem parte da grande trama da saga.

Porém um detalhe me chamou muito a atenção neste Romance. A autora apresentou um clã setita altamente articulado, apesar de ser aparentemente individualista. Os Seguidores de Set é um daqueles clãs o qual não me dei muito trabalho em conhecer, mas o pouco conhecimento que eu tinha não apontava para essa característica do clã. Tudo bem que algumas descrições que li deixavam a entender que os setitas teriam algum envolvimento com o submundo do contrabando, o qual servia de fonte de recursos para os principais objetivos do clã, mas nunca imaginei uma organização tão bem conectada. Mas posso estar exagerando. Afinal de contas, Hashe é o único personagem setita explorado no Romance, todavia em alguns trechos são narrados um sistema de apoio que Hashe oferece aos setitas refugiados da invasão Sabá à Costa Leste dos Estados Unidos.

Um outro detalhe bem interessante me chamou a atenção. A forma como Hesha se refere à si e ao seu clã quando Elizabeth descobre sobre sua natureza. Vou transcrever a melhor parte abaixo:

"- Por favor, Hesha... Conte-me a verdade. O que você é?"

"O Setita hesitou, refletiu cuidadosamente sobre o momento e lentamente deixou a máscara do dia a dia cair. Revelada, a pele era ligeiramente mais clara. A cabeça desnuda ostentava uma detalhada tatuagem de uma serpente enrodilhada, feita com titna preta, e que nunca se apagara. Olhos francos expostos e sinceros olhavam para a muler sentada no sofá e Hesha disse com voz trêmula:"

"- Sou o sacerdote morto de um deus morto. Esta é a verdade".

Sentiram o drama? Pois é... é forte o sentimento do personagem, que aparentemente representa o sentimento de todo o clã, de não se identificarem como vampiros. Fica a entender que eles são seres sobrenaturais diferentes e totalmente a parte do mundo vampírico em que eles se envolvem.

Excelente exemplificação do porque que Os Seguidores de Set são um clã independente.

Sem maiores delongas, não custa nada dizer que eu recomendo esse livro, assim como os outros três livros da saga que já li.

Que venha o próximo romance! O do clã Ventrue.

0 comentários:

Postar um comentário