31 de agosto de 2011

Este Corpo Mortal, Retropunk libera prévias do jogo.


A Retropunk anuncia o livro "Este Corpo Mortal" (original: Mortal Coil) para português. Esse jogo, escrito por Brennan Taylor (sob consulta do grande mestre Vicent Blake), é mais um primor da narrativa compartilhada. O sistema não usa dados e nenhum outro medidor de probabilidade, o papel do mestre é tão pequeno, que ele não é mais do que um simples moderador de regras (só o cara que fica lembrando os outros das regras, hehee). Toda a resolução de conflitos se baseia em dois aspectos: paixões (características emocionais) e as Aptidões (características profissionais) de personagem, as resoluções funcionam com "casadinhas" entre as características de paixões e aptidões. 

Simplesmente não existe um cenário padrão, apenas a premissa de ser um mundo moderno sobrenatural de alta magia. No inicio do jogo, o mestre puxa uma folha de papel e pergunta aos jogadores: Que tipo de história sobrenatural nos queremos jogar? Cada jogador adiciona os elementos que quiser: personagens, climas, atmosferas, lendas etc. O cenário é criado durante o jogo. Assim cada grupo tem um cenário único (tão bizarro quanto possa ser), com todos os elementos que os prórpio grupo criou.


Prefácio de Paul Trevis:
É apropriado que Este Corpo Mortal seja um jogo sobre magia, pois havia algo de mágico acontecendo na primeira vez que o joguei.
Eu conheci Brennan Taylor na GenCon de 2006. Sim, nos conversávamos pela internet, mas era nosso primeiro encontro em pessoa. Da mesma forma, eu tinha lido Este Corpo Mortal, mas nunca tive a chance de experimentá-lo. Quando ele sugeriu que o jogássemos, eu aproveitei a chance. Mas, quando ele apareci na Embassy Suites para realmente jogar, fiquei nervoso. Estava prestes a sentar com cinco pessoas que respeito, mas com quem nunca tinha jogado antes, e estava desesperado para impressioná-los. Eles achariam que eu era um bom jogador? Seria eu capaz de descobrir o que eles achavam divertido? Eles iam querer jogar comigo novamente? Entretanto, assim que Brennan tirou uma folha de papel em branco e perguntou “Que tipo de jogo nós queremos jogar?”, todo o estresse desapareceu. E foi então que a mágica começou.
Em “O Aprendiz de Feiticeiro”, Mickey Mouse inunda a casa do seu mestre quando sua magia ganha vida própria. Uma coisa similar aconteceu conosco naquela noite. Quando Judd Karlman disse: “Eu não quero um jogo onde tenha que matar minha mãe”, não tínhamos ideia que nosso brainstorm resultaria na criação de um jogo sobre uma banda punk mágica numa década de setenta alternativa (em Nova Amsterdã, nada menos). Mas funcionou. De repente, eu fui envolvido pela exuberância grunge do Flaming Taft, a maior banda amaldiçoada de todos os tempos. Todas as minhas ansiedades e preocupações foram embora. Por três horas, nós apenas improvisamos, dando forma uns aos outros e criando algo que todos aceitamos. É um jogo sobre o qual ainda falamos, anos depois.
Quando me lembro disso, percebo que o que fez o jogo funcionar tão bem foi que as ferramentas neste livro nos forneceram os meios para utilizar essa magia. O jogo é mediado pela interação social. A genialidade de Este Corpo Mortal é que ele deixa você perceber como ele é mediado. Começando com a criação de um documento de tema e continuando através do jogo, enquanto vocês gastam marcadores mágicos, este jogo faz vocês perceberem o que querem fazer enquanto jogadores. Depois, ele dá o poder para fazê-lo. Isso é o maior tipo de colaboração e, quando está na rotação máxima, a magia acontece.
Então, por que não colocar um pouco de mágica em seu jogo? O pior que pode acontecer é terminar com uma sala inundada.
— Paul Tevis


7 comentários:

Michael Wevanne "Mwxs" disse...

Primeira coisa que me veio a mente são histórias envolvendo o mundo de Sandman (Quem viu "Sandman apresenta: As Fúrias" lançado recentemente nas bancas, pode ter ideia do que eu estou falando).

Pows, Retropunk mais uma vez arrebentando publicando jogos alternativos e de abordagem extraordinariamente interessantes!

André Mousinho disse...

Poutzgrilariu, esse livro parece espetacular!!!

Estará em minha estante de indies, com certeza absoluta!

Vida longa ao RPG indie!!!

Elves disse...

Ups The Indie! \o/
Pode crer os jogos indie tão me surpreendendo muito ultimamente O.o

Maybe another Mr. Nobody disse...

Sensacional, compra certa!!!

John Bogéa disse...

Sabe aqueles narradores que ficam só olhando a história andar sozinha com as decisões e interpretações dos jogadores, se pronunciando apenas no caso de dúvidas nas regras... pois é, Este Corpo Mortal é exatamente assim. O Rodrigo Ragabash vai adorar. :D

Elves disse...

Auhsauhsauhuas

Rodrigo "Ragabash" disse...

Ei John! Não me entrega desse geito! Assim o pessoal vai achar que eu sou preguiçoso.

Postar um comentário