13 de junho de 2011

Romance de Clã: Ventrue [Comentários]

Salve povo! Depois de um longo tempo, terminei mais um Romance de Clã. Desta vez foi o do Ventrue (por Gherbod Fleming, 1999), quinto livro da saga épica entitulada Clan Novel, ambientada no jogo Vampiro: A Máscara.

Como os anteriores, o livro é dividido em três partes:

1ª Parte: Hospitalidade

Nesta primeira parte nos é apresentado os domínios e a influência de Alexander Garlotte, cainita do Clã Ventrue e Príncipe da cidade de Baltimore, Estado de Maryland.

Graças à proximidade de Whashington D. C., Maryland se torna o principal refúgio dos vampiros sobreviventes à invasão Sabbá realizada na região leste dos Estados Unidos, o que naturalmente traz à Garlotte a influência por abrigá-los e o peso de ter que “gerenciá-los”.

Dentre os vários refugiados estão Marcus Vitel, príncipe Ventrue deposto de Whashington D. C. e Victoria Ash, a Toreador protagonista do primeiro livro da saga vampiresca.

Não! Em nenhum momento é explicado como que Victoria sobrevieu à invasão Sabbá e seu carrasco. Apenas fica uma sensação de que há algo suspeito sobre ela.

Ainda nesta parte, nos é apresentado Theo Bell, Arconte Brujah enviado à Baltimore por seu Justicar do mesmo clã para liderar as defesas contra o avanço Sabbá na região.

Também tem Jan Pietezoon, cria de Hardestadt, the Younger, o Justicar Ventrue e um dos fundadores da Camarilla. Jan é enviado por Hardestadt à Baltimore para que ele dê suporte à resistência da Camarilla.


2ª Parte: Domínio

Nesta parte, são exploradas as várias reuniões de emergência entre os cainitas da região. Nesse momento é que temos um belo exemplar de uma assembléia da Camarilla. Intrigas, conflitos, desejos por poder, etc.

Alexander Garlotte se vê incumbido de organizar a superpopulação de cainitas em sua cidade, assim como liderar as defesas de seu domínio da eminente invasão Sabbá e planejar medidas de retomada dos territórios invadidos.

Todavia seu trabalho não é fácil. Lidar com outros cainitas nunca é fácil. Principalmente aqueles que têm algum nível de status na Camarilla, tal como: Victoria Ash, se intitulando a sobrevivente e representante de Atlanta e exigindo constantemente ações de contra ataque à invasão Sabbá; Theo Bell, o Arconte que não dá ouvidos aos anseios do Príncipe e de qualquer outro cainita que não seja seu Justicar; Jan Pietezoon, o estrangeiro que ameaça o poder e a influência do príncipe.

Mas o melhor dessa parte é quando, em uma das reuniões, entra Xaviar. Justicar Gangrel e sobrevivente do combate devastador narrado no terceiro livro da saga.

O clímax fica intenso, pois Xaviar surge sem muito protocolo falando que “As Noites Finais estão chegando. As profecias estão se realizando! Um poder antigo ergueu-se. Temos de destruí-lo se não estaremos condenados!”. Naturalmente os presentes não deram muito crédito às palavras do Justicar, pois não acreditavam que um Antediluviano havia se levantado para cumprir as profecias, assim como consideravam a invasão Sabbá mais importante para ser lidada do que possíveis devaneios de um Gangrel.

Enfurecido com o descrédito sobre suas palavras e a falta de apoio às suas ações como Justicar, antes de partir, Xaviar deixa a entender que em breve o clã Gangrel estará deixando a Camarilla.


3ª Parte: Progênie

Nesta parte, são exploradas as dificuldades de controle sobre as crias do Príncipe Alexander Garlotte.

Em meio à uma reunião importante, onde se estavam sendo decididos os detalhes das ações da Camarilla sobre a invasão do Sabbá, Finn, a cria mais nova de Garlotte, entra sem muito decoro exigindo do príncipe a permissão para abraçar uma motal. Em outra ocasião, em seu refúgio, Katrina, sua segunda cria, surge questionando suas decisões como progenitor. A forma como Garlotte resolve essas questões é, por assim dizer, bem Ventrue.

Ao final, uma última reunião é realizada. Estão presentes o Príncipe Garllote, de Baltimore, o príncipe deposto Vitel, de Whashington D.C., o príncipe deposto Lladislas, de Búfalo, o Arconte Theo Bell, Jan Pieterzoon, Victoria Ash, dentre outros.

Nesta reunião surge a Regente Tremere Sturbridge com informações importantes. De posse de um desenho de um homem sem nada muito especial, a não ser pelo olho esquerdo, que parecia grotescamente inchado e esbugalhado (ver o terceiro livro da saga). Ela informa que este homem foi o responsável pela aniquilação dos Gangrel em Búfalo.

Em meio à muitos questionamentos sobre a identidade desse homem e o que ele pode ser, Victoria Ash o reconhece. É Leopold, seu companheiro de clã em Atlanta (ver o primeiro livro da saga).

Desconfiados e curiosos, todos os presentes questionam Victoria à exaustão sobre Leopold. Naturalmente ela não pode informar mais do que as informações que antecedem os ataques do Sabbá à Atlanta.

Como aparentemente todos esses eventos se originaram em Atlanta, é sugerido que se vá alguém até essa cidade e procure levantar informações esclarecedoras sobre os últimos eventos que balançaram os pilares da Camarilla na região. De maneira oportunista e, até um certo ponto, suspeito, Victoria se voluntaria à ir Atlanta, mesmo não sendo ela o membro menos apropriado a entrar em território Sabbá.


Comentários

Este, com certeza, não é o melhor dentre os cinco que já li da saga, considerando o ritmo de aventura e ação narrados nos três últimos livros (Tzimisce, Gangrel e Seguidores de Set). Todavia, foi bastante prazeroso acompanhar a narração das intrincadas e delicadas assembléias da Camarilla, assim como acompanhar os passos de um personagem super interessante como o Alexander Garlotte.

Mas dou maior destaque ao evento onde Xaviar solicitou apoio da Camarilla contra um grande perigo e não foi atendido, sendo colocadas em dúvida suas palavras. Este evento, com certeza, será determinante para os eventos futuros da saga, assim como da Camarilla, tal como conhecemos a partir da 3ª Edição de Vampiro: A Máscara.


De qualquer forma, o final do livro me deixou morrendo de curiosidade sobre o que irá acontecer com Victoria e seu provável retorno à Atlanta, agora tomada pelo Sabbá. Não sei se esse evento será narrado no sexto e próximo livro da saga (Lasombra), todavia estou ansioso para ver a continuação da saga.

4 comentários:

Leonardo Teixeira disse...

Ragabash,

Cara, tu vai ficar maluco quando terminar de ler todos os clãs novel, todos são muito firme e se complementam, afinal foi neles que a WW deu inicio a Gehenna e muita coisa foi explicada, enfim muito bom mesmo.

mikewevanne disse...

Quando eu terminar de ler a Trilogia de Dragonlance vou voltar a leitura dos Romances de Clã.

Shinn disse...

fala rodrigo blza?, sou o junior da iniciativa do clube, cara hoje a tarde me ligaram e temos um excelente colaborador, ele está disposto a nos ceder um galpao!!, agora espaço/local nao vais mais ser problema queria que vc marcasse um dia pra falarmos sobre isso, eu estou livre em todos os dias impares do mes apartir das 10:00 da manha
meu email pessoal é maximos98@hotmail.com

Hesha Roberto disse...

uma objeção. No Novel Tzimisce explica como Vitória sobreviveu. O Tzimisce a pega e a leva para Sacha que encantada com sua beleza (Presença kkkkkkk) pede que ela seja levada para a masmorra ao invés de ser morta. Depois são os setitas que a tiram de lá e a deixam em Maryland (também graças a presença da vampira)

Postar um comentário