4 de setembro de 2010

A Nova Guerra das Edições?

Será que a empresa de brinquedos Hasbro, dona do D&D, presenciará uma Nova Guerra das Edições? 

Com o lançamento em breve da linha Essentials, a 4a edição do Dungeons & Dragons e fãs que ficaram nas variações da 3a edição do mesmo Dungeons & Dragons, o público/cliente pode se dividir. Será?

Os fãs da 4a edição e a própria empresa alegam que a linha Essentials é uma porta de entrada para a 4a edição tendo suas variações próprias, como as “classes Essentials”. Com relação à 3a edição, eternizada até o fim dos tempos por sua licença OGL sem uma data limite, é necessário levar em consideração os diferentes aspectos culturais e sócio-econômicos dos jogadores.

Na gringolândia, os fãs da 3a edição contam com o PathFinder e seus suplementos. No Brasil temos o Tormenta RPG, considerado 3.75, com suas características específicas, apropriadas pelas liberdades da Licença OGL e também há os inúmeros fãs que ficaram nas edições 3.0 e 3.5 e até mesmo grupos de jogadores que ainda usam o AD&D!

A tendência, em minha modesta opinião, é os jogadores das edições 3.0 e 3.5 permanecerem nela, seja porque têm os livros caros já adquiridos ou porque querem permanecer nela, como os jogadores do AD&D. Quem é fã do cenário Tormenta, provavelmente abraçará a versão 3.75 encabeçada por esta publicação brasileira. E os que estão na 4a edição, lá permanecerão.

Ainda acredito que com o tempo, alguns jogadores que gostam das versões 3.0 e 3.5 migrarão para o Tormenta. Não por causa do cenário, mas pela renovação das regras e jogabilidade mais fluída, pelo que os relatos que ando lendo dizem.

Gilson

4 comentários:

John Bogéa disse...

A linha essentials provavelmente não vai tirar o brilho da linha básica do 4th. A diferença é que eles sempre fazem um produto diferenciado pra ser vendido em caixa, com miniaturas+mapas+aventura+sistema simplificado. Foi assim na 1ª, 2ª, 3ª e agora na 4ª edição. Fórmula essa adotada também pela linha Warhammer fantasy da Fantasy Flight.

A principal vantagem do essentials, ao meu ver, é o uso de cartas no jogo. Explico: Quando vc ganhar, por exemplo, um item mágico, não vai precisar anotar na ficha o item se não quiser e nem passar horar folheando o livro pra encontrar seus efeitos, toda a informação vai estar na carta que está nas mãos do jogador dono do item. Achei isso fantástico e provavelmente mais sistemas gamistas vão adotar essa solução.

Também acho que a Wizard/hasbr não tá (e nem pretende ficar) nem um pouquindo precupada com a situação sócio economica de paises mais pobres. D&D sempre foi head line em vendas de RPG no mundo, se eles lançarem hoje uma 5ª edição com as regras do AD&D, essa edição ainda vai vender muito. A marca D&D é uma mina de ouro.

John Bogéa disse...

Pathfinder tinha a fama de "3.75" bem antes de Tormenta.
Eu querendo ou não, gostando ou não, graças a publicidade constante na Dragon Slayer (única revista física de RPG nacional) Tormenta é o cenário de RPG nacional mais bem sucedido.

PS: Tormenta poderia ser um grande e maduro cenário se não fosse a insistência no estilo mangá/anime com cheiro de forgothen Realms. Joguem as pedras em mim agora. :P

Gilson disse...

Essa tendência do Tormenta é para agradar as novas juventudes, não é para os nerdossauros. E é incrível que eu já ouvi de narrador (que acha que é narrador, é muito babaca e alienado) dizendo que "tudo é uma merda, só sistema X presta". Dá muita pena.

Gilson

Michael Wevanne disse...

AD&D que era RPG pra macho! anao nao usava magia... paladino era coisa pra homem (literalmente)! hoje em dia tah tudo liberado!

ateh os halflings depilaram os pehs!

tsc, tsc...

XD

Postar um comentário