30 de novembro de 2009

Lua Nova: Comentários

Salve povo!

Ontem fui assistir ao filme Lua Nova, sequência cinematográfica de Crepúsculo, ambos baseados em livros da saga Luz e Escuridão da autora Stephenie Meyer.

Acredito que as comparações que farei em meus comentários não agradem ao fãs de Mundo das Trevas da White Wolf, porém devo dizer que serão as impressões que tive, baseados nos conhecimentos que tenho.

Inicialmente devo dizer que considero Crepúsculo, o primeiro título da saga, um filme bom, porém a idéia de vampiros que brilham durante o dia não me agradou muito. Mas sou suspeito para falar já que sou fã das crônicas vampirescas da Anne Rice e do jogo de RPG Vampiro: A Máscara. Todavia esse tema não vem ao caso desta matéria. Também devo dizer que, por conta de não ter lido os livros da saga Luz e Escuridão, fiquei com a impressão de ser um filme comercial voltado mais ao público juvenil feminino.

Como sempre faço, procuro assistir, ler ou provar qualquer coisa antes de fazer comentários, mesmo quando suspeito que não irá me agradar. Com este sentimento, fui ao cinema extremamente curioso de ver como ficou o filme, mais por conta que Lua Nova introduz os Lobisomens na saga. Queria ver como esses seres foram aproveitados na história. Eis então que fui surpreendido.

Não vou dizer que o filme é inesquecível. Em um contexto geral eu considerei muito bom o filme. O que me surpreendeu foram as abordagens dadas aos Lobisomens e aos Vampiros Anciões e a sociedade vampirica dominante. Agora vou fazer as comparações com o Mundo das Trevas, que para mim são inevitáveis. Não vou descrever detalhes do filme. Apenas vou dizer que existem muitas semelhanças.

Os Lobisomens foram muito bem explorados e magistralmente bem descritos em sua fúria quase incontrolável, apesar de ter achado eles meio fraquinhos, se comparado com os do jogo Lobisomem: O Apocalipse ou Lobisomem: Os Destituidos. A sua organização em alcatéia, a dominação de territórios, e os efeitos negativos sobre os parentes é muito parecido com a idéia explorada em Lobisomem: Os Destituidos. Devido a essas semlhanças, já me senti feliz de estar tendo o prazer de ver o filme.

Mas a surpresa maior veio depois, quando nos foi apresentada a sociedade vampirica e seus anciões. Devo confeçar que fiquei extasiado, apesar de uma cena que considerei desnecessária ou talvez mal explorada (fiquem curiosos! não vou dizer qual é! hehehehehehehe...). A organização e poder dos Anciões, e o que elas representam aos outros vampiros, combina com o que mais me encanta em um cenário onde existe uma sociedade vampírica. Uma sociedade com sede de poder e repleta de intrigas. É um cenário assim que mais idealizo ao mestrar Vampiro: A Máscara e futuramente Vampiro: O Réquiem.

Este dois fatores já valeram o ingresso, mas devo dizer que o clima romântico, que é predominante, foi muito bem explorado. Ao contrário da impressão que descrevi no começo dessa amtéria, esse é um filme com um romance mais maduro do que eu vi em Crepúsculo. Com direito a crises amorosas e disputa pelo amor da mocinha, sem ser meloso demais.

Perante tudo isto, vou reafirmar que Lua Nova foi uma agradável surpresa, principalmente pela semelhança com os jogos de RPG de Mundo das Trevas que mais me encanto e gosto de jogar e narrar. Considero que, para os fãs do Mundo das Trevas assim como eu, vale a pena assistir ao filme, e para aqueles que estão interessados em um filme com aventura, ação e romance sem ser enjoativo e bobinho, eu recomendo.

4 comentários:

Michael Wevanne disse...

primeiro foi "smallhaçao ville".

agora atacam de "high scholl moon"!

SAITO disse...

Como filme, também o considero bom, mas o que diz respeito a vampiros, qualquer pessoa com o mínimo de conhecimento sobr eles sabe que eles não brilham a luz do sol. Eu acho que a autora poderia ter usado de um método menos ridículo como tal. Se ela queria vampíros disfarçados de estudantes, por que não os fez estudantes noturnos? Ela surgiu com esse conceito radical totalmente fora de contexto.

No mais, a história e os fatos que você citou são um ponto positivo. Realmente voltado a um publico adolescente feminino.

carlos disse...

Putz discordo totalmente,
o filme é muito fraco, tanto em tecnicas cinematograficas quanto a questao da historia, pior ainda a atuação lamentavel dos atores, a relação dos lobisomens no filme é muito pobre os mostrando muito pouco e nos momentos que apareçem sao meros coadjuvantes sem contrbuirem em nada pra historia, ja os vampiros "anciões" que apareçem ate poderiam ser interessantes se fossem melhor explorados, mais o que não foi o caso, tipico filme que conseguiu cumprir com o seu objetivo, atingir um grande numero de adolescentes consumidores que sonham com o principe encantado, com essa formula magica era obvio que seria um sucesso

GuH disse...

aff eu gostei da fotografia do filme... acho q junto com a trilha sonora foi uma das coisas mais marcantes... tirando é claro a questão da 'purpurinência' dos vampiros. Concordo com a questão da sociedade, acho q o tema foi bem explorado. Lógicamente poderia ter sido bem melhor.. Temos q levar em consideração q a história é bem original em termos de conceito sobre vampiros, até pq não iriam filmar nada que esbarrasse em questões legais de direitos autorais (tal qual underworld...) qdo a white wolf qse barrou o filme por ter semelhanças demais com o cenário do mundo das trevas... Bem era isso... Ahh Rodrigo :D qdo rolar a mesa de requiem põe aqui no blog para os interessados... tenho um Deva ta mofando na minha pasta de personagens não aproveitados rs

Postar um comentário