15 de julho de 2009

Celestiais: A Ira Proibida

Salve povo!

Hoje estou trazendo uma entrevista que fiz com o Rafael, autor do jogo Celestiais: A Ira Proibida. O jogo é o resultado de um trabalho de estudo pessoal sobre anjos. O esforço para criação da ambientalização e adatação do sistema são muito interessantes e vale a pena dar uma conferida no que o autor paraense pensou ao criar esse jogo. Vamos à entrevista!

Qual é o seu nome?
Rafael Viegas Conde

Qual é o título do jogo que você está criando?
O jogo se chama Celestiais: A Ira Proibida.

No que o jogo consiste?
Ele consiste no sistema de Celestiais, no caso Anjos, que foram criados para defender o universo, mas a grande maioria deles caiu perante uma batalha e agora Deus deu chance para eles reencarnarem para tentar retomar o poder deles. Trazer a missão deles de volta. Voltar ao apogeu deles, na verdade. O jogo se passa com celestiais que foram criados antes dos primeiros celestiais, que são a Luz, a Escuridão e o Vazio.

Qual foi a sua inspiração para o jogo?
Pois é! Eu peguei a inspiração, na verdade, a fonte dos celestiais, por gostar muito desse estudo dos celestiais. Eu me inspirei nisso para fazer uma coisa melhor. Eu me inspirei até na própria White Wolf, que eu achei um sistema muito legal. Mas o meu foco principal mesmo é por que eu sempre gostei de anjos. Sempre gostei de estudar desse lado místico dos anjos. Dai resolvi criar um sistema de RPG. Até por que eu gostei muito do jogo. Eu achei interessante fazer o sistema do jogo Celestiais: A Ira Proibida.

Então o jogador irá representar um anjo. Qual seria a contextualização desses anjos no mundo que você criou?
Ele começa como Nefling. Ele terá que alcançar 5 postos para depois ele subir a Serafin... a escala não tem nada haver com o conceito bíblico na verdade, entendeu? Já vem mais com o conceito do que eu conheci mesmo de anjos, que não tem muito haver também com que escreve na cultura local. Eu resolvi modificar, trocar, entendeu? Então ele passa a de Neflin para Serafin. De serafin ele passa para Anjitus, até ele voltar a ser Arcanjitus, que é o mais poderoso deles em termo, fora os três primeiros celestiais que eu já citei no começo. Eles são únicos e niguém chega nesse patamar. Mas já à Arcanjitus todo mundo pode voltar a ser um dia. Só que o Arcanjitus na realidade é como se ele fosse um NPC. Ou seja, os atributos do Neflin vai até 5 de cisciplina. Porque eles tem os dons e as disciplinas que eles recebem. Dai quando é Serafin ele chega mais ou menos até 8. E quando chega em Anjitus eles tem 9 e 10 pontos de níveis de características para chegar. Então eles são realmente mega poderosos. Nesse meio termo tem os chamados Bispos. Eles são uma classe a parte dos Anjitus. É como eles fossem um pós Angitus na verdade. Eles tem os dons deles e tem os preceitos deles, que no caso... as disciplinas e os dons... eu chamo os dons de dádivas e as disciplinas de preceitos, no livro. Então eles tem as dádivas e os preceitos deles. Eles coordenam na verdade o mundo todo. Porque na verdade, os Celestiais eles vivem no mundo. É um lance assim meio Laterna Verde, entendeu? Eles tem o mundo deles e eles protegem o universo. Eles são encaminhados para proteger o universo. Não é que os Laternas Verdes foram minha fonte inicial de inspiração, mas um amigo meu me falou "cara, ta um lance parece Lanter Verde". Ai eu pensei "pô! legal! verdade!". Eu não tinha pensado nisso. Ta entendendo? Então resumindo tudo, a fonte de inspiração é essa. O lance dos Jedi também. Me inspirou muito para fazer os Celestiais: A Ira Proibida. E inclusive no livro, os próprios celestiais tem conhecimento dos Jedis. Para eles, os Jedis são criaturas em evolução, num estágio bastante elevado de evolução do espírito e da matéria, entendeu? Os próprios magos, também. Os vampiros. Eles acham que os vampiros são seres que estão passando por uma provação terrenea até chegar ao apogeu de novo. Essas coisas, entendeu?



Então os Anjos são uma espécie de protetores dos mortais. Qual a relação dos Celestiais com os mortais? Eles interagem com os Mortais?
Pois é! O que acontece? Quando Deus criou a Luz, a Escuridão e o Vazio... a Escuridão se voltou contra Deus, dizendo que achava que por ele ser o primeiro filho, ser o dono da sabedoria... porque a escuridão é como se ela guardasse a sabedoria toda que ela faz, que ela coordena. A luz é como se ela te desse uma luz mesmo. Ela te ensinasse a descobrir aquilo e te ensinasse a ageitar aquilo lá. E o vazio é como se fosse o equilíbrio entre a Luz e a Escuridão. Então, o que acontece? A Escuridão achou que deveria ser dígno de todos os três poderes. Os outros dois poderes, tanto do Vazio quanto do da Luz. Então quando ele se voltou contra Deus, o guardião da Luz disse que não! Que ele lutaria contra a Escuridão a hora que fosse, mas que ele não tomaria o poder de Deus nunca. Então, no universo ele começou a corromper os humanos que já existiam na primeira era universal. O Guardião da Luz começou a lutar sozinho contra ele, o tempo todo. Tanto que o Guardiãod a Luz chegou ao ponto de quando o Guardião da Escuridão chegou a matar o Guardião do Vazio ele fez a grande batalha, que inclusive está explicada no livro, que foi quando ele criou o primeiro "big bang" até. Entendeu? Por eles serem criaturas tão poderosas, ele criou o primeiro "Big Bang" e resolveu exterminar tudo para dar um novo começo, que quando foi que começou a segunda era universal. Por queê Porque Deus já tinha dito que iriam ter novas conciências no mundo. Outras partes dele no universo que iriam ter a capacidade de raciocinar. Então na segunda era universal essa luta continuou. Ai foi quando Deus resolveu criar os Celestiais, para proteger junto com o Guardião da Luz o resto do universo. Que foram os Arcanjitus, que forma os primeiros a serem criados.

Para o desenvolvimento do jogo, qual é o sistema que você utiliza?
Eu utilizo um pouco do sistema Storyteller e também estou mesclando um pouquinho do sistema... no caso não o sistema em si mas o sistema de jogagem de dados de D&D... utiliso o dado de 20 faces, utiliso o dado de 6 faces, utiliso o dado de 10 faces para jogar. Mas o sistema é muito baseado no sistema Storyteller, por eu achar esse sistema o mais simples de entendimento.
Como seria essa mescla? Para combates um tipo de sistema e para outras ações um outro tipo?
Não. O sistema é único. Inclusive, por exemplo, pra tirar esse esteriótipo de que o personagem que é guerreiro ele não pode ser social, entendeu? Eu preferi jogar no livro como se fosse algo livre. Ta entendendo? Então o jogador tem os dogmas que ele segue em cada casta que ele tem de Celestial. Por exemplo, ele tem uma casta... tem a casta mística, a casta guerreira. Então, quando ele se adentra em uma dessas castas ele terá os dogmas que seguirá, mas ele não é obrigatoriamente a ser de um tipo de persoangem. Tipo, ele entra numa casta doutrinadora, ele não é obrigado a ser um personagem sociável totalmente. Está entendendo? Por que ele vai aprender a ser sociável, quando ele começa a ser Celestial. Ele pode continuar a ser guerreiro, mas no decorrer da crônica ele vai desenvolvendo outras coisas dele. Justamente para quebrar um pouco esse negócio de persoangens esteriotipados. Porque o Celestial não precisa ser totalmente esteriotipado. Ele tem o que ele aprende.

Eu soube que o jogo já está em fase de teste. Quais são suas primeiras impressões?
O sistema está bom. Pelo menos até agora eu não tive nenhum problema. Todo mundo que jogou, gostou. Inclusive tem uma mesa que eu narro a quase dois anos. Os jogadores começaram desde Neflin, e agora estão em Anjitus. Eles sempre gostaram. Sempre rou aquela interessão entre eu e eles. Tipo, o que está ruim e o que não está, para a gente poder melhorar. É o que eu estou fazendo com a outra mesa, que são jogadores de um nível um pouco mais elevado, que são jogadores que jogavam na época do Belém by Night. Gente que sabe fazer "Jyhad", vamos dizer assim. Então, eu mestrei o jogo para eles e fui bem claro quando eu disse pra eles "o sistema é falho e eu gostaria que vocês me ajudassem a desenvolver o sistema". É o que eles estão fazendo agora. Eles estão me ajudando a desenvolver o sistema... e eles também gostaram! Eles começaram o jogo e disseram "cara! eu gostei muito. Está muito legal o jogo". Inclusive a primeira coisa pelo que eles se apaixonaram foi pela planilha. eles disseram que nunca viram uma planilha mais rica em detalhes do que a planilha do jogo.

Você tem a previsão de quando será concluido o projeto do jogo?
Eu já estabeleci a meta de terminar pelo menos até o final do ano de 2009. Ele já está praticamente em fase terminal. Até por que com ele, com o Celestiais: A Ira Proibida vai sair o Demonitas: O Corromper da Força. Que é o jogo dos inimigos. Pois nem todo mundo gosta de jogar com... todo mundo tem aquela preferência. Então eu estou terminado, na verdade, os dois livros. Mas o meu foco principal é o Celetiais: A Ira Proibida.

Provavelmente você já deve ter conhecimento que já existem títulos com a mesma idéia. Por acaso há alguma semelhança?
Totalmente diferente! É como eu te falei. A história é baseada num sistema de criação de um universo. Entendeu? E do universo para os dias atuais. Eu busquei uma coisa totalmente diferente. Não tem anda haver. Inclusive, eu nunca cheguei a ler totalmente os dois livros. Eu vi muita coisa assim e fiquei feliz por que sabia que não tinha nada haver.

Com o projeto estando pronto, finalizado e acabado. Você tem a pretensão de publicá-lo?
Exato! O meu objetivo principal é esse. Publicar o livro.

Já tem alguma editora que pretenda publicar?
Ainda não. Isso ai eu ainda estou correndo atrás mesmo.

Para quem estiver interessado em publicar, como ele poderá fazer contato?
Meu telefone 3244-2944 e 8133-2886, ou então pel meu e-mail que é seranjo2005@yahoo.com.br

Por cortesia do Rafael, ele permitiu mostrar o protótipo da capa e costa do livro Celestiais: A Ira Proibida.

4 comentários:

Michael Wevanne disse...

legal... enfim, anjos que protegem realmente alguma coisa! hehehe. boa sorte ao autor rafael viegas e parabens pela entrevista interessantissima, ragabash!

amanda disse...

Humm... o RPG Celestiais: a ira proibida, parece muito bom, um rpg digno do nosso precioso tempo, o tema sobre os celestiais e os demonitas (q comenteários a parte estou anciosa para ver também.)é um excelente tema.. e a história, a trama são muito bem feitas, é baseada em algo concreto, q concerteza vai interessar a galera que gosta de jogar rpg... E deixo aqui um elogio exclusivo para as planilhas que está bem detalhada e com certeza traz mais interesse ao jogador, fazendo com q ele interaja e vivencie esse universo... meus parabéns para o autor Rafael Viegas, vc obviamnete tem um sucesso nas mãos.

Camila Thiemy Dias Numazawa disse...

Figuras que eu gosto de ver no Rpg...

Adriano Teixeira disse...

Esse Trabalho foi concluído fiquei interessado.

Postar um comentário